Anda di halaman 1dari 28

PROMOÇÃO DO AUTOCUIDADO DA PESSOA IDOSA

Disciplina: Saúde e Bem Estar da Pessoa Idosa


Profª Rosylaine Moura
Ao longo da vida, aprendemos a nos cuidar e a entender aquilo que nos proporciona bem-estar.

O primeiro cuidado de saúde é o AUTOCUIDADO.

O autocuidado relaciona-se à busca pela manutenção da própria integridade física, emocional e


espiritual, o que inclui a realização de atividades diárias, quais sejam: alimentação, higiene, o
cumprimento de regimes terapêuticos como medicação e dieta apropriada, o cuidado com a
autoestima, bem como preferências, valores e crenças pessoais.
Atividades da Autonomia (decidir)
Vida Diária e Independência
(AVDs) (executar sua decisão)

O declínio funcional ou perda de AVDs não é normal da idade e, sempre que presente,
significa que ocorreu alguma alteração nos sistemas funcionais, como cognição,
mobilidade, humor/comportamento, comunicação e controle dos esfíncteres.
AVDs
AVDs Básicas
Instrumentais
Requer ajuda para lavar mais de uma
parte do corpo ou para entrar ou sair
do banheiro ou não toma banho Fazer
sozinho Tomar banho
compras

Veste-se parcialmente ou não se veste Controlar as


sozinho Vestir-se
finanças

Usa comadre ou similar, controlado Uso do Preparar as


por terceiros, ou recebe ajuda para ir banheiro refeições
até o vaso sanitário.

Transferência Requer ajuda para deitar-se e levantar-se da


cama ou sentar na cadeira.

Continência Incontinência parcial ou total dos esfíncteres.

Alimentar-se Requer ajuda para levar a comida do prato à


sozinho boca.
A diminuição da capacidade funcional de uma pessoa nem
sempre afeta sua capacidade de escolha e decisão, ou seja, sua
AUTONOMIA.

A relação entre DEPENDÊNCIA e AUTONOMIA não é linear,


visto que o indivíduo pode ser dependente para se vestir e
manter sua autonomia para gerenciar as finanças ou ser
independente para se locomover, fazer transferências e
controlar sua função esfincteriana mas perder sua
autonomia como no caso da demência de Alzheimer.

A dependência do idoso tende a aumentar em ambientes


que desestimulem e punem a independência e reforçam
a dependência, muitas vezes por acreditar que ela é
natural da velhice e irreversível.
Cuidados na Higiene

A higiene é importante para manter boa saúde física e mental.


Os cuidados de higiene englobam o ambiente, o banho, a higiene íntima, os
cuidados com a pele, unhas, cabelos e a higiene oral.

É fundamental considerar a segurança no desempenho das atividades, mas


pensar também na autonomia do idoso.

As expectativas e os conhecimentos das pessoas envolvidas no cuidado do


idoso também interferem na realização das atividades. Muitas vezes, existe
a crença de que cuidar é fazer pelo outro (?). No entanto, cabe ao cuidador
observar qual o tipo de ajuda necessária, estimulando e valorizando as
tentativas do idoso . Isso pode demandar mais tempo e persistência do
cuidador mas certamente ajuda o idoso a manter seu senso de
competência, sua utilidade e autoestima.
Cuidados no Banho

O banho é um momento de revisão sistemática da pele, unhas e


cabelos, observando rachaduras na pele ou pés, hematomas,
traumas, lesões por pressão que estejam iniciando, micoses, entre
outros.
Resistências do idosos ao banho:

• Perda ou diminuição da autoestima;


• Desorientação no tempo e local, problemas de memória e esquecimento, o que pode
levar o idoso a pensar que já tomou banho;
• Traumas associados à má-condução dessa atividade: banho muito quente, vergonha,
zombarias, palavras bruscas ou hematomas causados pela força ao segurar;
• Quedas no banheiro;
• Fatores climáticos ou culturais.
Respeitar o hábito do idoso no banho:

• Respeitar o horário da preferência, sempre que possível;


• Manter marcas de sabonete , shampoo, entre outros;
• Criar uma rotina para os idosos com dependência mais grave;
• Mesmo os acamados devem ser levados ao banheiro, sempre que possível, para que
seja realizado o banho de chuveiro.
• Banhos de leito devem ser evitados, sendo indicados apenas para aqueles pacientes
com prescrição de repouso rigoroso no leito.
Preparando o banho :

• Preparar antecipadamente todo o material e deixar em local de fácil alcance


• Eliminar correntes de ar, fechando portas e janelas;
• Separa roupas antecipadamente;
• Regular a temperatura da água (morna);
• Se possível, o idoso deve ser despido no quarto e conduzido ao banheiro
protegido por um roupão, evitar fixar os olhos em seu corpo. Ser discreto e
pedir licença antes de despir o idoso.
• Avaliar a segurança do local (banheiro) para evitar acidentes (quedas
principalmente).
Técnica do banho de chuveiro :

• Usar sabonetes neutros e evitar uso de buchas;


• Os objetos de higiene pessoal devem ser de uso individual e exclusivo;
• Na medida do possível, deve-se providenciar um roupão, para que o idoso possa se
despir no quarto e, protegido, ser conduzido ao banho;
• Manter a privacidade do paciente, mas solicitar que não tranque a porta;
• A rotina do banho é essencial. Mudanças de horário e da maneira como conduzir o
banho devem ser evitadas;
• Estimular sempre que o idoso realize, quando estiver em condições, a tarefa de
banhar-se. A melhor maneira do cuidador agir é na condição de incentivador, auxiliar
e protetor;
• Preparar o banho explicando todas as ações em voz alta, falando clara e
pausadamente, uma a uma;
• Banho de chuveiro com água em abundância e temperatura agradável são requisitos
indispensáveis.
Técnica do banho de chuveiro :

• A roupa deve estar fora do campo de visão do idosos, para evitar que ele queira
vestir a roupa, achando que já tomou o banho;
• Se a palavra “banho” o irrita, não diga “vamos tomar banho”. Diga “vamos nos
refrescar” ou apenas convidá-lo para ir até o banheiro “venha comigo”;
• Estimular a independência do idoso o tempo todo e só ajudar quando o idoso não
conseguir fazer sozinho;
• As orientações devem ser bem claras: “vá tirando suas roupas”, “entre no box”,
“segure o chuveirinho”, “passe o sabonete nas axilas”, “vá enxaguando a barriga”;
• Todas as ordens bem executadas devem ser acompanhadas de elogios;
• Após o banho, oferecer a toalha e pedir ao idoso que enxague as partes do corpo
que alcança. Orientá-lo a enxugar bem as partes íntimas, dobras, debaixo das
mamas, axilas e entre os dedos;
Técnica do banho de chuveiro :

• As roupas devem ser trocadas diariamente e serem de escolha do idoso;


• Separar toda a roupa e entregar ao idoso, peça por peça, na ordem de vestir;
• A atitude em relação ao idoso que se nega e nem deixa o cuidador a fazer sua
higiene deve ser uma postura determinada executando a tarefa com firmeza, passo
a passo, evitando a confrontação e a discussão;
• Não esquecer do uso de batons, esmaltes, penteados, entre outros, de acordo com
os hábitos do idoso;
• O uso de maquiagem é positivo para senhoras idosas e deve obedecer o bom senso,
não havendo exageros, nem as colocando em situações ridículas;
Cuidados com o cabelo

Aparência Auto estima

• Os cabelos devem ser lavados regularmente (3 x por semana)


e inspecionados diariamente;
• Um pente com cabo alongado pode ajudar idosos com
dificuldades de alcance;
• Devem ser escovados e, no caso de serem muito longos,
podem ser presos;
• O corte de cabelo deve ser feito periodicamente, de acordo
com o consentimento e preferência do idosos;
• Sempre que possível, deve-se incentivar o paciente a realizar
esses cuidados com a máxima independência possível;
• Inspecionar diariamente o couro cabeludo e ficar atento a
feridas , micoses (fungos) e queda de cabelo.
Cuidados com a pele
Maior órgão do Barreira de proteção
corpo humano Regulação Térmica
Sensibilidade Tátil

• A água ingerida também promove a hidratação da pele. Recomenda-se a ingestão


de seis a oito copos de líquidos durante o dia, se não houver contraindicação;
• O uso do protetor solar é um cuidado essencial para a pele, principalmente em
um país tropical como o nosso;
• A água do banho deve ser morna, mas não excessivamente quente, pois a elevada
temperatura aumenta o ressecamento da pele;
• Optar por toalhas macias e evitar friccioná-las sobre a pele, o que pode provocar
aranhões e outras lesões mais sérias;
• A hidratação com hidratantes neutros deve ser realizada pelo menos uma vez ao
dia, após o banho. Dar preferência a cremes com ureia;
• O sol é muito importante na prevenção de osteoporose, deve-se tomar sol todos
os dias, por 20 minutos, no período de 9 às 11 hs. Expor braços e pernas, usando
roupas leves, sem protetor solar nesse período. Em outros momentos do dia a
dia, deve-se usar sempre protetor solar, chapéu ou bonés.
Cuidados com os pés e unhas
Quando mal Produzem lesões e podem iniciar um
higienizados e processo patológico ou ser via de
mal cuidados transmissão de doenças

• O cuidado das unhas deve ser realizado semanalmente, preferencialmente após o


banho, pois a água as deixa hidratadas e amolecidas, facilitando o procedimento;

• Cortar as unhas em linha reta para evitar que fiquem encravadas nos cantos;

• Evitar retirar as cutículas;

• Lixá-las posteriormente para deixá-las lisas ;

• Evitar o corte muito rente a pele para evitar lesões que possam originar processos
inflamatórios e infecciosos;

• Um cortador de unhas adaptado pode ser útil para idosos com dificuldade de
preensão;
Cuidados com os pés e unhas
• Após o banho, secar os pés cuidadosamente, com especial atenção para a
região entre os dedos para evitar o surgimento de micoses;

• Inspecionar os pés diariamente , observando a temperatura, a condição da


pele, calosidades e outras lesões;

• Sempre que possível utilizar creme hidratante, principalmente nas regiões


mais secas e ásperas do pé;

• Auxiliar o idoso a calçar as meias, que devem estar limpas e serem folgadas,
sem costuras duras. As meias mantém os pés aquecidos, proporcionando
sensação de conforto;

• Escova de cabo longo pode auxiliar na higiene dos pés do idosos


independente.
Cuidados com os pés do idoso diabético
Cuidados com os pés do idoso diabético
Orientação para o autocuidado no Pé Diabético – prevenindo feridas

• Realize a inspeção diária dos pés (seja por você mesmo ou com a
ajuda de um familiar ou um cuidador orientado), incluindo as áreas
entre os dedos.
• Realize a higiene regular dos pés, seguida da secagem cuidadosa deles,
principalmente entre os dedos.
• Cuidado com a temperatura da água! Ela deve estar sempre inferior a 37°C,
para evitar o risco de queimadura.
• Evite andar descalço, seja em ambientes fechados ou ao ar livre.
• Sempre use meias ao utilizar calçados fechados.
• Use, sempre que possível, meias com costura de dentro para fora ou, de
preferência, sem costura.
• Procure trocar de meias diariamente.
• Nunca use meias apertadas e evite usar meias altas acima do joelho.
• Inspecione e palpe diariamente a parte interna dos calçados, à procura
de objetos que possam machucar seus pés.
Cuidados com os pés do idoso diabético

Orientação para o autocuidado no Pé Diabético – prevenindo feridas

• Use calçados confortáveis e de tamanho apropriado, evitando o uso de


sapatos apertados ou com reentrâncias e costuras irregulares.
• Use cremes ou óleos hidratantes para pele seca, porém, evite usá-los
entre os dedos.
• Corte as unhas em linha reta.
• Não utilize agentes químicos ou emplastros para remover calos.
• Calos e calosidades devem ser avaliados e tratados pela sua equipe de
saúde.
• Faça a reavaliação dos seus pés com a sua equipe de saúde uma vez ao
ano (ou mais vezes, se for solicitado).
• Procure imediatamente sua Unidade de Saúde se uma bolha, um corte,
um arranhão ou uma ferida aparecer.
• Em caso de dúvidas, procure sempre a sua equipe de saúde!
Cuidados com o vestuário

Manter um vestuário simples e confortável, criando sempre


que possível a oportunidade de escolha pelo próprio idoso
é de fundamental importância. Essa rotina permite a
preservação da personalidade, elevando a autoestima e a
independência.
Cuidados com o vestuário

Manter um vestuário simples e confortável, criando sempre


que possível a oportunidade de escolha pelo próprio idoso
é de fundamental importância. Essa rotina permite a
preservação da personalidade, elevando a autoestima e a
independência.
Cuidados com o vestuário
• As roupas devem ser simples, confeccionadas com tecidos apropriados ao clima;
• O paciente pode ter perdido a capacidade de expressar sensações de frio ou
calor. Dessa forma, nunca se esquecer de tirar ou colocar agasalhos, conforme a
variação da temperatura;
• O cuidador deve, ao falar com o idoso colocar-se no seu campo visual , ou seja,
diante dele, orientando-o calmamente e gesticulando, se necessário;
• Deve-se estimular o ato de vestir-se sozinho, dando instruções com palavras
fáceis de serem entendidas;
• Dar ao idoso a oportunidade de optar pelo tipo de vestuário e cores que mais o
agradam. Apenas supervisor, pois pode ser que haja necessidade de auxiliá-lo na
combinação de cores;
• Reduzir as opções de escolha, deixando roupas mais apropriadas em uma parte
do armário mais acessível ao idoso. Evitar locais mais altos;
• Gavetas com travas de segurança, luz interna ao abrir a porta e puxadores tipo
alça também auxiliam;
Cuidados com o vestuário
• Ter calma e paciência, não apressá-lo enquanto executa sua rotina de vestir-se;
• A cama deve ter altura que permita ao idoso apoiar os pés no chão ao sentar-se nela.
Deve estar sempre arrumada, com roupas de cama limpas e bem adaptada às
necessidades de cada indivíduo. Se necessário, forrar as grades para evitar traumas.
• Uma poltrona com assento firme com braços pode ser útil especialmente para o idoso
se vestir e calçar spatos e meisa;
• Para que ele mesmo possa procurar suas roupas nos armários, colocar fotos de peças
e ou objetos pessoais na parte externa da gaveta ou guarda-roupas. Isto o ajudará a
encontrar rapidamente o que procura;
• Roupas como blusas, camisas ou suéteres deverão ser preferencialmente abertas na
parte da frente, para facilitar a colocação ou retirada;
• Dar preferência às roupas com elástico ou velcro;
• Caso o idoso tenha o hábito de usar roupas com botões e zíperes pode ser indicado
o uso de adaptadores;
Cuidados com o vestuário
• Em idosos mais fragilizados deve-se dar preferência aos conjuntos do tipo
moletom, em função de sua praticidade.
• Para idosos limitados a cadeiras de rodas ou poltronas a escolha do vestuário deve
obedecer critérios mais rigorosos. Deve-se optar por roupas mais confortáveis,
largas, especialmente nos quadris;
• O uso de objetos pessoais (acessórios) pode ser mantido, porém, se evoluir para
dependência total e/ou limitação substituir joias por bijuterias;
• Evitar o uso de chinelos, pois eles facilitam as quedas;
• Todos os tipos de sapatos devem ser providos por solados firmes e antiderrapantes,
de preferência com sola espessa de borracha. Preferir calçados fechados e que
possam ser presos ao redor dos calcanhares. Dar preferência àqueles que possuem
elásticos ou velcros na parte superior, pois além de serem fáceis de tirar e colocar
evitam que o idoso tropece e caia, caso o cadarço desamarre.
Higiene bucal da pessoa idosa

Melhora a alimentação/nutrição
Higiene dos dentes, próteses, Evita proliferação de micro organismos
gengivas, bochecha, palatos, Diminui riscos de infecção
língua Bom hálito
Bem estar
• Usar escovas de cerdas macias;
• Trocar a escova de dentes com frequência (verificar o estado
de conservação da mesma);
• Realizar a higiene após toda refeição ou lanche ;
• Higienizar todos os dentes, gengiva, bochechas e língua;
• Enxaguar a boca com água abundante;
• Usar enxaguante bucal e fazer bochechos sempre que
possível;
• Escovar as próteses em água corrente com escova e creme
dental, se for o caso;
• Para os idosos que não tem dentes e não usam próteses
também é necessário realizar a higiene da cavidade oral;
• Manter os lábios hidratados para evitar fissuras.
Higiene bucal da pessoa idosa

• Para o idosos dependente, acamado, deve-se mantê-lo em


decúbito elevado durante a higiene bucal, para evitar
engasgos;
• Oferecer água para enxágue em pequena quantidade ou usar
gaze ou pano bem limpo umedecido para retirar o excesso de
creme dental e hidratar os lábios;
• Oferecer um espelho ao idoso para que este acompanhe a
higienização ou auxilie quando puder;
• Manter revisões odontológicas anuais para avaliar a saúde e
integridade da cavidade oral de toda a pessoa idosa.
Bibliografia

Facilitando o Auto cuidado. AZEVEDO, R. S. et al. IN: MORAES, E. N. AZEVEDO, R. S.


Fundamentos do cuidado ao idoso frágil. Belo Horizonte , MG: Folium, 2016. p. 275-
305.
LIMA, A. M. M ; SANGALETI, C. T. O cuidado do idoso: aspectos práticos e cotidianos.
Cuidados com a higienização do idoso. IN: LIMA, A. M. M ; SANGALETI, C. T. Cuidar do
idoso em casa: limites e possibilidades. p. 71- 77.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de
Atenção Básica. Manual do pé diabético: estratégias para o cuidado da pessoa com
doença crônica. Brasília, 2016.